sábado, 17 de junho de 2017

POLÍTICA E INVESTIMENTOS: Porque seu dinheiro pode derreter nas próximas semanas...


Salve confrades da blogosfera de finanças,

Após um longo período de desânimo com as postagens, resolvi voltar e compartilhar os altos e baixos de minha jornada rumo a esta imagem de sonho que formamos em nossas mentes e chamamos de independência financeira (vulga “IF”).

Confesso que desanimei das postagens após a avalanche de haters que começou a tirar blogueiros do anonimato, acreditando simplesmente que ia prejudicá-los de alguma forma. Outra razão que me deixou meio desanimado em manter postagens nos últimos tempos foi a situação de nossa república de bananas chamada Brasil: me questionei muito se ainda valeria à pena insistir com investimentos em um país comandado por bandidos ex-guerrilheiros e comunistas seguidores cegos de uma ideologia que já se mostrou desastrosa em todos os países onde foi de alguma forma implementada: o socialismo/comunismo, que no Brasil é buscado incessantemente e muitas vezes inconscientemente pela maioria dos partidos envolvidos no jogo político-criminoso que nos empurra cada vez mais para a beira do precipício, tudo isso com a cooperação irrestrita da “Rede Globo de imbecilização” ou alienação.

Pois bem, após muita reflexão, sempre com um fio de esperança de que o país poderia sair do buraco político-econômico que se enfiou, resolvi encarar esta realidade desastrosa de frente e pelo menos tentar mostrar, através desse blog, que é possível investir em meio a essa tempestade, desde que façamos a nossa parte de buscar pressionar e mudar a situação política do país para que as próximas gerações possam viver com alguma dignidade.

Então, volto de cabeça erguida com meu blog, e buscando pelo menos alertar aos desavisados sobre o que está acontecendo com nosso querido Brasil: após décadas de doutrinação e dominação cultural, tudo baseado nas idéias de um vagabundo comunista chamado Gramsci, estamos nas mãos de crápulas-político-bandidos representados por praticamente todos os partidos que controlam o Executivo e Legislativo (e indiretamente o Judiciário, nomeando juízes e procuradores “amigos” e simpáticos aos seus ideais).  

Em meio a este cenário, o desafio de aportar e investir torna-se muito mais difícil e para os desinformados até impossível fazê-lo sem incorrer em riscos que podem tirá-los do jogo definitivamente.

Após quase um ano do impeachment da “guerrilheira vagabunda”, dezenas de delações mostrando a podridão de nosso sistema político e conluio com empresários amigos, além de uma tonelada de provas mostrando que o MOLUSCO concebeu e coordenou todo o esquema, nada aconteceu. O “nove dedos” continua solto e arquitetando sua volta, enquanto o maior açougueiro-empresário-bandido da história do Brasil (o Sr.“Friboi”) serve de marionete para o PGR pró-PT, que junto ao ministro comunista do STF (indicado pela guerrilheira, diga-se de passagem) tenta derrubar o vice da vagabunda para tentar gerar um ambiente de antecipação de eleições diretas, de forma a salvar o “nove dedos” do xilindró, promovendo o retorno retumbante do pai dos pobres, quem o povo humilde até hoje acredita que melhorou suas vidas, quando por pura sorte o Brasil surfava a onda de alta das commodities.

Se tudo isso que eu falei é estranho para você, sugiro urgentemente que vá estudar sobre o que está acontecendo no nosso país, para seu bem, de sua família e de seus investimentos.

Falando de investimentos, como investir em um país onde um açougueiro-bandido grava o Presidente da República e a Procuradoria vaza tudo para o “Jornal da Vergonha Nacional” pegando todos os investidores de calças curtas, gerando circuit breakers, perda de toda a rentabilidade acumulada no ano, e tudo vira pizza no final? O cara ainda faz o acordo mais camarada para um bandido de que se tem notícia até hoje e vai curtir seus bilhões no luxo de Nova Iorque.

Ainda acredito que existem empresas honestas e bem geridas no Brasil, mas agora tudo pode acontecer. Vem aí a delação do Palocci, e já se diz que vai entregar alguns grandes bancos, além de poder entregar outras grandes empresas.  

Será que ainda temos grupos empresariais no Brasil que não se sujeitam a “esquemas” com o governo? Será que a busca do socialismo já avançou ao ponto de não termos mais empresas que crescem por mérito próprio, por boa gestão? Somente os “amigos” do governo socialista?

Ainda tenho algumas empresas em minha carteira, as quais acredito terem boa gestão e não precisarem se sujeitar a este esquema imundo, mas estou aguardando os próximos acontecimentos, as próximas delações, para ver se realmente ainda dá para investir de forma segura no Brasil. Caso não seja, vou procurar meios de investir fora do Brasil.

Mas não desistirei do nosso país. Vou lutar, participar de manifestações, me filiar a um partido de direita quem sabe? Pois precisamos salvar nosso país, caso contrário tudo isso que pregamos na blogosfera, de independência financeira, da busca por um futuro melhor, tudo isso corre um grande risco de acabar.

Amigos, sei que tudo isso soa meio depressivo e catastrófico, mas daqui até as eleições de 2018 tudo pode acontecer. E isso pode afetar os nossos investimentos de uma maneira definitiva.  Então, não vou falar para ninguém o que fazer. Cada um sabe onde aperta o seu calo. No meu caso, pretendo me engajar mais na discussão política, ajudar as pessoas à minha volta a entender o que está acontecendo, ajudá-las a ter mais condições de escolher um candidato em 2018. Ajudar pessoas mais simples e menos instruídas a entender como foram enganadas até hoje, principalmente pelo “pai dos pobres” que gosta de triplex, voar de jatinho e tem filho bilionário.  Acredito que, se cada um fizer um pouquinho, podemos diminuir as chances de um desastre no futuro próximo.  

sábado, 10 de setembro de 2016

Você não gosta do seu chefe? O que fazer?


Caro leitor,

Uma das coisas que vou tentar fazer através do blog é dividir um pouco de minha experiência e aprendizado no mundo corporativo, para que os mais jovens não venham a cometer os mesmos erros e também tentar ajudá-los com as experiências positivas.  Então vamos lá...
Você já notou quantas pessoas reclamam de seus chefes? Não só nos blogs, mas em qualquer lugar físico também: no café da empresa, no happy hour com os colegas, em casa com sua família, e, em alguns casos até para o psicanalista ou psiquiatra.
 
Há muito tempo atrás, quando tinha muito menos maturidade profissional e ainda estava na base da organização, cheguei a ter relações conflituosas com alguns chefes. E, acredite, isso nunca me trouxe nenhum benefício, muito pelo contrário.  Cheguei a “botar tudo a perder” em minha primeira empresa, onde passei de um “High Potential”, ou seja, a bola da vez, a alguém colocado de escanteio por não ter tido a paciência necessária para esperar meu momento e ter entrado em conflito com a chefia.

Desde o início de minha carreira, sempre busquei a excelência técnica, mas não era muito preocupado com o lado comportamental e de relacionamentos dentro de uma empresa. Formado em Engenharia, sempre acreditei que se fosse excelente em minha função, as portas de cima se abririam facilmente. Mas na prática não é bem assim.

Toda empresa é feitas de pessoas. E todos têm interesses ali dentro, muitas vezes conflitantes.  Desta forma as pessoas vão se agrupando na organização, se aliando com quem tem interesses parecidos, com quem tem mais afinidade ou por outras razões. Daí surge o que deveria ser somente a política, no bom sentido, mas que vira a politicagem. Geralmente leva tempo para os mais novos perceberem esse grande “jogo”, e muitas vezes já se dão mal simplesmente por demonstrarem algum comportamento que desagrade a esses grupos.

O problema fica ainda maior quando entramos no lado psicológico da questão. Em maior ou menor grau, as pessoas querem se sentir reconhecidas ou valorizadas. Ter o sentimento de pertencer a um grupo, acreditar nas mesmas coisas, nos mesmos valores. Isso é bem básico do ser humano e acredito que se forma na adolescência. Sem falar ainda dos casos extremos: pessoas extremamente carentes de atenção, outros que viveram fortes traumas fora dali, e tem sempre uma porcentagem de psicopatas mesmo.
Agora pense no seu chefe. Como você acha que ele navegou em meio a esse caos de pessoas e conseguiu subir?  No mínimo, ele soube tirar mais vantagem dessa situação. Soube fazer o “jogo” da organização. Soube se comportar como a organização espera.  E o que você acha que ele espera do seu comportamento, que seja muito diferente do dele?
 
Basicamente, o que o chefe espera de você é: DÊ RESULTADO e NÃO GERE PROBLEMAS. Mas lembre-se: isso é o básico e não garante que você vai ganhar aumento ou ser lembrado para uma promoção.  Para esse segundo passo ele tem que gostar de você. Quando digo gostar de você, não é gostar somente do seu trabalho. Ele vai ter que confiar em você como pessoa também, e para isso você deverá ter valores e um comportamento parecidos com os dele. Além disso, você deverá ser bem aceito por outras pessoas além do seu chefe, pois hoje em dia para promover alguém em uma empresa, muitas vezes você será avaliado por seus clientes internos também, e até pelo chefe do seu chefe.

De forma resumida, os conselhos abaixo valem para qualquer pessoa que trabalhe ou busca trabalhar no mundo corporativo, especialmente para aqueles que já não gostam do chefe:

1. Toda organização (ou empresa) funciona da maneira que descrevi acima. SE VOCÊ NÃO ACEITA que tem que criar relacionamentos e se comportar conforme o que a empresa espera (e não o que você acha que é certo) CAIA FORA LOGO, pois só irá se frustrar e possivelmente entrar em conflito com alguém;

2. Se você tem problemas com seu chefe, ou não gosta dele: SEU CHEFE NÃO VAI MUDAR POR SUA CAUSA. Ele só está preocupado se você entrega o serviço esperado e não gera problemas.

3. Se você passar a ser um PROBLEMA PARA SEU CHEFE, ELE VAI DAR UM JEITO EM VOCÊ. Vai tentar se livrar do “problema” (você).

4. Se você causar qualquer outro tipo de problema, que não seja conflito direto com seu chefe (pode ser com outra pessoa), dependendo da repercussão do problema, isso passa a ser problema do seu chefe – então retorne para o item 3 acima.

Hoje tenho uma posição gerencial e muita sorte de não ter tido problemas como esses, pelo contrário, tenho ótimo relacionamento com minha equipe.
Porém, tenho a oportunidade de participar de reuniões onde muitas pessoas têm seus comportamentos avaliados e ocasiões onde outros gestores expõem todos os tipos de problemas de comportamentos de seus funcionários: aqueles que os desafiam e fazem de tudo para tumultuar o ambiente, aqueles que trabalham abertamente para derrubá-los. Enfim, todo o tipo de problema.
Já vi gestor “pedindo a cabeça” de muita gente, sem ao mesmo estas pessoas saberem. Vi pessoas serem encostadas, outras transferidas “na marra” para outras áreas, tudo isso porque entraram em conflito com seus superiores.
Apesar de minha posição, tenho superiores também, e sei que sou constantemente avaliado. Então tomo bastante cuidado para não me tornar um “problema” para eles.

Moral da história:

1. O mundo corporativo é daí para pior, o jogo é esse. Se você vive reclamando do ambiente desgastante, do assédio do chefe opressor, das rodinhas de fofoca e pessoas querendo te puxar o tapete, ou seja, todo esse “blá-blá-blá” que falam em muitos blogs: pense bem se vale à pena continuar. Pois conforme você progride na carreira a tendência é piorar.

2. Como em muitas situações da natureza você tem duas alternativas: LUTAR OU FUGIR.
 

domingo, 31 de julho de 2016

Estratégia de investimentos: você já tem a sua?

Caríssimos,

Inicio minhas postagens na blogosfera com uma simples pergunta que me fiz esses dias e considero-a tão poderosa que todo investidor deveria pensar antes de arriscar seu suado dinheiro no mercado financeiro:

“Você já tem sua própria estratégia de investimentos?”

Nos últimos meses tenho lido diversas postagens de blogueiros que compartilham suas carteiras de investimentos e vejo que a maioria segue o tripé “renda fixa + fundos imobiliários + ações”. Dentre estas três categorias, varia logicamente o capital investido e o tipo de ativo. Alguns colegas também preferem ficar longe de alguns mercados (principalmente renda variável, onde muitas pessoas ainda tem receio).  

Dentre os que encaram o mercado de ações, alguns utilizam a estratégia do “Buy&Hold” (comprar e segurar, focada no longo prazo), outros encaram a filosofia do “trade”, ou seja, tentar encontrar oportunidades de compra e venda de ações que tragam lucro no curto ou médio prazo.

Do mesmo modo, na renda fixa vemos muita gente apostando no Tesouro Direto, onde temos hoje no Brasil praticamente as mais altas taxas pagas de renda fixa no mundo. Outros já encaram títulos privados, ou seja, títulos de dívida de empresas.

O ponto principal que eu gostaria de enfatizar é o seguinte: no mercado financeiro existe uma infinidade de títulos e opções de investimento onde você pode colocar seu suado dinheiro. Do outro lado, também existe uma infinidade de taxas que as instituições financeiras e de corretagem estão loucas para que você pague.  

“OK Samurai, mas o que eu devo fazer?”

Não sou analista de investimentos e não pretendo que você siga o que eu faço. Em uma postagem futura vou mostrar como está estruturada minha carteira, mas só para fins de acompanhamento (só para adiantar: estou em ações e TD, e estudando FIs para entrar no futuro). Só quero alertar os iniciantes para não caírem na armadilha que caí no passado: ficar seguindo notícias, comprar ativos financeiros sem antes analisar os riscos, não cair na “conversa do gerente do banco” que vem te oferecer aquele fundo de investimentos imbatível. Os riscos de perder dinheiro são imensos.

Minha dica é a mais básica de todas: ESTUDE, ESTUDE E ESTUDE.

Leia quantos livros de finanças forem necessários, converse com investidores mais experientes e bem-sucedidos e lembre-se da regra No.1 do megainvestidor Warren Buffet: “nunca perca dinheiro”.

Quer fazer "trade" com ações? Então estude análise técnica a fundo e quaisquer outros métodos que te ajudem a ter sucesso. Vai ser sócio de empresas? (Buy&Hold). Aprenda a analisar os fundamentos das empresas e escolher por si só. Quer comprar aquele Título do Tesouro que promete proteger contra a inflação e ainda paga mais uma taxa boa? Já sabe quanto o governo vai te tomar de IR? Sabe o que vai acontecer se a inflação do ano que vem cair? Se a Selic cair ou subir? Se o contexto econômico-financeiro do país mudar o que acontece?

Acredito que a maioria de nós rala demais para administrar o dinheiro e poder aportar no fim do mês. E tem muita gente querendo tomar uma parte dele.

Então, no mínimo, aprenda a criar uma carteira de investimentos onde você seja capaz de responder o porque está alocando o dinheiro em determinados ativos, as proporções, os riscos envolvidos e o que você espera ganhar. E estude e entenda cada ativo antes de colocar seus recursos. 

Sei que para os mais experientes, tudo isso é o "beabá", mas achei por bem alertar os iniciantes de que o mercado financeiro pode levar embora seu dinheiro para quem não se preparar.