domingo, 5 de novembro de 2017

Apocalipse à vista! Como se preparar para a volta do PT ao poder em 2018...




 
Fala pessoal,

 

Sei que esse título é provocativo e o post pode causar um pouco de polêmica.

Mas gostaria de tratar aqui de uma hipótese, que, no meu entendimento, começa a ficar cada vez mais plausível e seu impacto sobre os investimentos.

Sim, vou falar sobre a volta do PT ao poder na forma de seu líder máximo, o autointitulado pai dos pobres, maior expoente desse país à idolatria do “Miserabilismo”, ou seja, a cultura dos brasileiros de propagar e exagerar histórias do “pobre que deu certo”, tentando vender a ilusão de que algo extremamente raro pode ser a regra, e não a exceção.


Aliás, essa mensagem é propagada com muito afinco pela nossa maior rede de TV há muitos anos, e, a meu ver, funciona como uma espécie de anestesia social, para manter a massa votante sempre ignorante e dócil.

Difundir a idéia de que tudo vale, ou tudo é relativo, desde que seja pelo bem do povo, glamourizar a pobreza nas favelas, idolatrar esportistas e pagodeiros milionários que são o “ponto fora da curva”, como se isso fosse um caminho mais viável que o estudo e a meritocracia. Não vou listar aqui toda a cartilha de “guerra cultural socialista”, para não perder o foco do post, mas tem muito mais.

Para se ter idéia da eficácia dessas práticas, veja como a maioria das pessoas a seu redor, mesmo as mais instruídas, acham normal sair na imprensa pesquisas eleitorais que incluam um sujeito que é réu em nove processos, e inclusive já condenado em primeira instância.

Você acha que realmente isso seria possível em um país sério e decente? Que o sujeito seria ao menos listado nas pesquisas?

Mas é aí que eu chego onde queria.

O fato da maioria dos brasileiros achar tudo isso normal e achar legítima a participação desse candidato no processo eleitoral, já é um sinal de que temos um grave problema moral e ético, e que o PT pode voltar ao poder de forma muito mais fácil do que imaginamos.

E o resultado das pesquisas de intenção de voto divulgadas nas últimas semanas, somado à queda brusca no índice Ibovespa, só confirmam o que estou dizendo.  

Se tem alguém preocupado com essa situação, está assistindo passivo a tudo isso e confiando que a Justiça tratará de eliminar os supostos bandidos do processo eleitoral em 2018. Talvez estejamos anestesiados pela tendência recente de melhora da economia.

E você realmente acredita que a Justiça terá força para retirar do processo político essa criatura em particular? Você realmente acredita que as instâncias superiores da Justiça cumprirão seu papel se for necessário?

Na dúvida, para proteger meu patrimônio e investimentos, esta semana passei a trabalhar com a hipótese da reeleição quase certa desse candidato.  

Somente reforçando: acredito que este seja o cenário mais provável (com alta probabilidade de ocorrer). Obviamente que vou trabalhar também com um cenário, muito menos provável, de eleição de algum candidato de mais ao centro ou direita, ou, pelo menos, pró-mercado.  

Isso significa que não vou retirar todo o meu dinheiro do Brasil de uma vez, ou sair comprando ouro e dólar feito maluco.  

Mas antes de falar da estratégia de investimentos, ou proteção, listo aqui alguns fatos que corroboram minha hipótese da volta do líder máximo do PT ao poder:

  1. Moralmente, a maioria dos brasileiros não condena a conduta do sujeito (como já falei acima);
  2. A grande maioria de seu eleitorado chave (sobretudo no Norte-Nordeste) ainda o idolatra, em função da história do “pobre que deu certo” e também pela melhora econômica em seu governo causada pela bonança das commodities;
  3. O povo mais humilde, ou menos instruído, não associa a crise atual a seu governo e, sim, aos governos posteriores;
  4.  O discurso socialista, do estado que tudo provê, ainda tem muita penetração junto a seu eleitorado tradicional e grande parte da classe média. Repetindo esse discurso, continuará encantando o povo;
  5. A Lava Jato indica que atingiu seu teto. Não há mais força para quebrar a resistência das instituições tradicionais. Chegou em um nível que os três poderes passaram a se auto proteger.

 

Minha estratégia de proteção contra a catástrofe

Vou dividir minha estratégia de proteção em duas partes. Em primeiro lugar, como proteger o patrimônio financeiro existente. E, finalmente, como proteger minha geração de renda e aportes. Não vou falar sobre como proteger os imóveis, pois estes são de certa forma mais imunes a um colapso da economia. Perderão valor, mas não de maneira catastrófica.

 

  1. Proteção do patrimônio financeiro

Para proteger meu patrimônio, pretendo diminuir minha exposição em renda variável no Brasil. Atualmente estou com 70% do patrimônio financeiro em ações da Bovespa. Outros 30% estão em Renda Fixa.

Meu primeiro passo será abrir conta no BB Americas (o que já estou enrolando há algum tempo) e depois em uma corretora com acesso a ações e fundos nos EUA e outros países desenvolvidos.  

Após esse passo, migrar parte da alocação atual de renda variável para o exterior e outra parte pretendo colocar em um bom fundo multimercado (como o Fundo Verde), onde o gestor tem larga experiência em lidar com crises e até mesmo lucrar com elas.  

Quero manter, no máximo 25% de meu capital financeiro em ações brasileiras. Sei que para isso vou ter que girar bastante patrimônio, mas imagino perda muito maior se o pior cenário se concretizar.

Ao final, pretendo destinar 5% do portfólio para seguros-catástrofe: Opções (PUT) fora do dinheiro e Ouro. Em outro post explicarei como usar Opções do tipo “PUT” como seguro. São derivativos que podem se valorizar absurdamente em caso de queda brusca de nossa Bolsa.  

 

Imagino a seguinte distribuição final:

30% Renda Fixa (Brasil)

20% Fundo Multimercado

25% Ações Bovespa

20% Ações e/ou fundos estrangeiros (via corretora nos EUA)

2,5% Opções (puts)

2,5% Ouro

 

  1. Proteção à minhas fontes de geração de renda

Com a eventual retomada do poder pelo PT, imagino que a economia desabará novamente, investidores fugirão do Brasil e os níveis de desemprego subirão rapidamente.

(Nota: Do ponto de vista histórico, imagino que será o último grande teste do Socialismo no Brasil. Será um regime mais radical, como na Venezuela hoje, e demorará entre 10 e 20 anos para o povo “acordar” e enterrar de vez o sonho socialista, após tempos extremamente difíceis).

No meu caso, imagino que, em alguns anos, a empresa onde trabalho poderá fechar as portas, pois já não vem bem no Brasil, e acho que uma nova crise seria a “pá de cal” para eles zarparem definitivamente.

E o cenário de desemprego seria catastrófico para minha capacidade de aporte.

Hoje grande parte de minha renda vem do emprego. Outra parte do aluguel de imóveis e o restante vem de dividendos e JCP de ações.

Com relação a tentar empreender, em paralelo ao emprego, é algo que descartei por enquanto, pois não dá tempo. Realmente não sei como o povo aqui faz um monte de coisas paralelas, como projetos digitais, e-commerce, “assoviar e chupar cana ao mesmo tempo”. Eu não consegui até agora. Minha principal fonte continuará sendo a labuta diária mesmo.

Então uma alternativa que passarei a trabalhar fortemente nos próximos meses é uma recolocação de emprego no exterior, sobretudo Europa ou EUA. Minha primeira opção é tentar uma transferência na empresa atual mesmo, para a matriz na Europa. Mas já comecei a pesquisar vagas nos EUA nos últimos meses e vejo que tem bastante demanda em minha área.

Do ponto de vista estratégico, acredito que é o melhor que qualquer brasileiro que tenha a oportunidade possa fazer, face ao risco que se apresenta no médio prazo.

Fora a chance de ganhar em moeda forte, pois no caso de uma catástrofe do tipo da Venezuela, o Real se desvalorizaria absurdamente.

Sei que esse post pode parecer muito político, mas estou tentando ser pragmático.

A aventura petista já destruiu muito valor e o patrimônio de muita gente durantes treze anos, fora a horda de desempregados que ainda temos. E tudo indica que o povo não acordou e vai comprar o sonho populista novamente.

Já citei, em um post anterior, como acredito que, para ser investidor no Brasil, é necessário entender o cenário político e seus efeitos na economia.

Se você quer ganhar dinheiro, ou, mais importante, não perder, precisa começar a entender o que se passa em Brasília e suas consequências.

É isso. Falei dos meus planos. Á medida que aparecer algo concreto, vou trazer as histórias para vocês por aqui.

Como falei, estou trabalhando uma hipótese de que as coisas podem desandar no Brasil no ano que vem.

Se ocorrer, estarei protegido.
Se não ocorrer, me reposicionarei rapidamente para ganhar com o cenário alternativo, realocando em ações no Brasil.

Abraços

13 comentários:

  1. bem pessimista mesmo, tomara que nada se concretize

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bufunfa, também torço para que eu esteja errado. Mas minha análise dos fatos me leva a crer que preciso posicionar meus investimentos para um cenário ruim.
      Se não ocorrer, mudo a alocação da minha carteira para surfar um mercado em alta.
      Abraços

      Excluir
  2. Fala Samurai!

    Eu também começo a ver o cenário mudar de improvável para possível com relação ao PT. Mas independente do resultado eu achei bem interessante os seus planos, principalmente a diversificação em moeda forte e diminuir a sua alocação em renda variável.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, estou tentando praticar o pragmatismo, analisar friamente os dados e fatos. E tudo me leva a concluir que as chances do barbudo são altas.
      Sim, nos próximos meses devo diversificar bastante. Vou diminuir o risco. O lado ruim é que diminuirei a chance de ganhar mais com uma continuação da alta.

      Excluir
  3. Deus nos defenda!!!! Seria desgraça demais a volta do demônio vermelho!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu camarada,
      Analise friamente os dados e fatos. Até agora as instituições não foram capazes de dar um jeito nesse cidadão. Um monte de processos e acusações e continua livre, leve e solto.

      Excluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. Não acredito na vitória do Lula caso ele concorra.

    Mas digamos que ele seja eleito, qual o apoio que ele tem para radicalizar? O congresso vai estar dividido e com uma oposição bem mais forte do que nos governos anteriores do PT.

    Falando em governos anteriores do PT, lembre que o partido esteve 13 anos no poder com amplo apoio popular e com um cenário econômico externo muito favorável, e mesmo assim não conseguiram se perpetuar no poder.

    E no mesmo periodo a América Latina inteira esteve sobre líderes socialistas e populistas como Argentina, Chile e Uruguai.

    Eu já fui mais catastrófico também. Mas o impeachment da Dilma mostrou que existem forças políticas e econômicas mais fortes que o PT, mesmo que essas forças não estejam não no poder.

    PS: apaguei o comentário anterior pois saiu com vários erros de digitação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Concordo com o Alemão.

      A Dilma é exemplo disso.
      Resumindo: "Um presidente que se elege dividindo o país não consegue governar."

      Excluir
  6. Alemão,
    Apoio ele comprará, como sempre fez. E congresso dividido, não acredito, justamente por isso. No Brasil, apoio se compra, com cargos e emendas. Uma vez no poder, a configuração de situação e oposição mudará completamente. É um pulo para o PMDB se aliar novamente a um eventual governo petista.
    Quanto a ter ficado 13 anos, sem ter conseguido se perpetuar no poder, foi graças a um evento altamente improvável chamado Lava Jato aliado a pressão das ruas. Porém os vermelhos absorveram o golpe, aprenderam a lição, e o Lula já deixou claro na imprensa que vai pegar pesado se entrar novamente, com censura a redes sociais e reforma política à la Venezuela, por exemplo. Aliás, publicamente eles defendem o regime de Maduro, sinalizando que tomariam uma postura ditatorial também se voltarem ao poder. E como só será eleito com discurso populista de sempre, para cumprir as promessas aos pobres terá que abdicar da meta fiscal, pois o Brasil está quebrado hoje em termos de dívida pública, então a única solução será rasgar o teto fiscal, imprimir dinheiro, gerar inflação, juros crescentes e queda do investimento e emprego.
    Bom, essa é minha leitura. Espero que esteja errado

    ResponderExcluir
  7. Lula ja ganhou, se participar é claro.

    O Nordeste é Lula. 51% dos votos é dele.

    Nao é atoa que vou manter um imovel locado, ao inves de vender e replicar em FIIs e Açoes.

    Vou segurar a onda diversificando e imobilizando.

    Abraçao Samurai e salve-se quem puder, vamos correr para as colinas rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, se já acredita que o demônio pode ganhar a eleição e já está diversificando está muita à frente da manada que está achando que o Brasil só vai melhorar agora. Infelizmente temos uma bifurcação no caminho em 2018 e o povo vai ter que escolher: ir para a esquerda novamente ou para a direita. E o resultado pode mudar tudo nos investimentos e patrimônio.
      Abraços

      Excluir